7 de outubro de 2019

O Menino e a Cicatriz

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e closeup

Um menino tinha uma cicatriz no rosto, as pessoas do colégio não falavam com ele nem sentavam ao seu lado, na realidade quando os colegas do colégio o viam franziam a testa devido à cicatriz ser muito feia… Então a turma se reuniu com o professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não frequentasse mais o colégio, o professor levou o caso à diretoria do colégio.
A diretoria ouviu e chegou a seguinte conclusão: Que não poderia tirar o menino do colégio e que conversaria com o menino pra que ele fosse o ultimo a entrar na sala de aula e o primeiro a sair, dessa forma nenhum aluno via o rosto do menino, a não ser que olhassem pra trás. O professor achou magnifica a ideia da diretoria, sabia que os alunos não olhariam mais pra trás.

Levado ao conhecimento do menino da decisão ele prontamente aceitou a imposição do colégio, mas com uma condição: que ele compareceria na frente de todos os colegas do colégio, para dizer o porque daquela CICATRIZ. A turma concordou e no dia seguinte o menino entrou e dirigiu-se a frente da sala de aula e começou a relatar:

– Sabe turma, eu entendo vocês. Essa cicatriz é muito feia, mas foi assim que eu a adquiri:- Minha mãe era muito pobre e pra ajudar na alimentação da casa ela passava roupa pra fora… eu tinha por volta de 7 ou 8 anos de idade…(A turma tava em silencio atenta a tudo…) o menino continuou:

– Além de mim, tinha mais 3 irmãozinhos: um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha de apenas alguns dias de vida.(SILENCIO TOTAL NA SALA). Foi aí que não sei como a nossa casa que era simples e toda de madeira começou a pegar fogo. Minha mãe correu até ao quarto em que estávamos, pegou meu irmão de 4 anos, o de 2 anos e eu pelo braço e nos levou pra fora, havia muita fumaça, as paredes que eram de madeira pegavam fogo e estavam muito quente. Minha mãe colocou-me sentado no chão do lado de fora e pediu que eu ficasse ali até ela voltar, pois minha mãe tinha que voltar a casa e pegar a minha irmãzinha que ainda ficara no quarto em chamas.

Só que quando minha mãe tentou entrar na casa em chamas as pessoas que estavam ali não deixaram minha mãe pegar minha irmãzinha e vi minha mãe gritar: “minha filha está la dentro”! Vi no rosto da minha mãe o desespero, o horror e ela gritava, mas aquelas pessoas não deixavam minha mãe buscar minha irmãzinha. Foi aí que decidi: Deixei meus irmãos e disse-lhes que não saíssem de lá até eu voltar. Saí entre as pessoas e sem que eles percebessem eu entrei na casa. Havia muita fumaça, estava tudo muito quente, mas eu tinha que pegar minha irmãzinha.

Eu sabia o quarto em que ela estava. Quando cheguei ao quarto lá estava ela enrolada num lençol e chorava muito. Nesse momento vi alguma coisa caindo e então me joguei sobre ela para a protege e aquela coisa quente tocou no meu rosto. (A turma estava quieta, atenta ao menino e envergonhada) Então o menino continuou: Vocês podem até achar essa CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que a acha linda e todos os dias quando eu chego, a minha irmãzinha a beija porque sabe que é a marca do AMOR.

5 de outubro de 2019

Parábola para estes dias...


Jorge Guarda
29 de setembro às 22:06

Parábola para estes dias...
Um camponês, cansado da rotina do campo e de tanto trabalho duro, decidiu vender a sua quinta.
Como sabia que o seu vizinho era um destacado poeta, decidiu pedir-lhe o favor que lhe redigisse o aviso da venda. O poeta acedeu com agrado.
O aviso dizia: «Vendo um bocadinho de céu, adornado com belas flores e verdes árvores, formosos prados e um cristalino rio com a água mais pura que jamais possa ter visto».
O poeta teve que ausentar-se por um tempo. Mas, logo que regressou resolveu visitar os seus novos vizinhos, pensando que aquele camponês do aviso tinha abandonado a terra.
Grande foi a sua surpresa ao ver o camponês a trabalhar na sua quinta.
O poeta perguntou-lhe:
- Amigo, não se ia embora da quinta?
O camponês, com um sorriso, respondeu:
- Não, meu querido vizinho. Depois de ler o aviso que teve a amabilidade de me escrever, compreendi que tinha o lugar mais maravilhoso da terra…
Copio esta mensagem que recebi, ilustrando-a com a fotografia. Talvez nos ajude neste tempo de campanha eleitoral!
Mas vale também para a nossa vida, família, comunidades cristãs, sociedade... Quanto nos focamos nas dificuldades, insucessos..., ficamos cansados depressa... Se nos focamos no melhor de nós, da família, da comunidade cristã..., com uma visão positiva, então ganhamos nova coragem para trabalhar a fim de fazer crescer esse melhor e diminuir o que não está bem. Como o poeta, podemos ajudar-nos a ter uma nova e mais bela visão sobre a realidade.